EDITORA VIRTUALBOOKS

 

Virtual Books Store

 

     
Autores
 

Raul Pompéia



autor
Houve um tempo em que as exaltações políticas de alguns escritores, transformadas em polêmicas públicas, podiam levá-los ao duelo, como o que houve, em fins do século XIX, entre Olavo Bilac e RAUL POMPÉIA. A morte desse último, entretanto, só ocorreu posteriormente, depois de outros ataques jornalísticos, quando se suicidou com um tiro no coração. Desde cedo, esse espírito combativo, rebelde e inconformista o levou a se manifestar em atividades abolicionistas e republicanas que buscavam uma revolução dos valores da época. Influenciado por Baudelaire, e mesmo antes de Cruz e Sousa, ele foi o primeiro escritor a fazer uso no Brasil dos chamados poemas em prosa, mas foi o romance que o levou a um verdadeiro lugar de destaque na história literária nacional. Valorizando a memória autobiográfica, os sentimentos individuais, as agitações interiores, enfim, tudo aquilo que se passa na cabeça do escritor em sua busca de interpretação da realidade vivida através do momento presente, O Ateneu, sua obra-prima, marca o início da ficção impressionista no país.

OBRAS

Uma Tragédia no Amazonas (1880); As Jóias da Coroa (1882); O Ateneu (1888); Canções sem Metro (1900); Obras (1984).

O JUSTO RECONHECIMENTO

“A questão do suicídio não vem agora à tela. Este velho tema renasce como esse pobre Raul Pompéia, que deixou a vida inesperadamente, aos trinta e dous anos de idade. Sobravam-lhe talentos, não lhe faltavam aplausos nem justiça aos seus notáveis méritos. [...] Do Ateneu, que é o principal dos seus livros, ouvi alguns capítulos então inéditos, por iniciativa de um amigo comum. Raul era todo letras, todo poesia, todo Goncourts. Estes dous irmãos famosos tinham qualidades que se ajustavam aos talentos literários e psicológicos do nosso jovem patrício, que os adorava. Aquele livro era num eco do colégio, um feixe de reminiscências, que ele soubera evocar e traduzir na língua que lhe era familiar, tão vibrante e colorida, língua em que compôs os numerosos escritos da imprensa diária, nos quais o estilo respondia aos pensamentos.” (Machado de Assis, Crônica de 29 de dezembro)

Extrato da obra O Ateneu

Quando no dia do jantar subi para o dormitório com o Egbert, dançava-me no espírito, reduzida a miniatura, a imagem de Ema (era agradável suprimir o D.), pequenina como uma abelha de ouro, vibrante e incerta.

Sonhei: ela sentada na cama, eu no verniz do chão, de joelhos. Mostrava-me a mão, recortada em puro jaspe, unhas de rosa, como pétalas incrustadas. Eu fazia esforços para colher a mão e beijar; a mão fugia; chegava-se um pouco, escapava para mais alto; baixava de novo, fugia mais longe ainda, para o teto, para o céu, e eu a via inatingível na altura, clara, aberta como um astro.

Ela ria do meu desespero, mostrava-me o pé descalço, que a calçasse; não permitia mais. Calçar-lhe apenas o arminho que ali estava, o pequeno sapato, branco, exânime, voltando a sola, sem o conforto cálido do pé que o pisava, que o vivificava. Eu me inclinava, invejoso do arminho, sobre o crivo de seda da meia, milagre de indústria para o qual concorrera cada dia do século industrial, com um esforço, tecido impalpável, de fibras vivas, filtrando a transparência branda do sangue, invólucro sutil de um mimo de joelho, de perna, de tornozelo, irremediavelmente desfalcado do espólio glorioso da estatuária pagã.

Conheça alguns livros do autor:





 
Livro capa
AS MINAS DO REI SALOMÃO
Henry Rider Haggard
Livro capa
Sua vida é uma porcaria. E a culpa é minha. Parte 1: o que somos nós?
Juliano Moreira
Livro capa
Sua vida é uma porcaria. E a culpa é minha. Parte 5: o melhor que o dinheiro não pode comprar
Juliano Moreira




Livro capa
AMARELO OURO
Luiz Paulo Paulino de Lima
Livro capa
O RENASCER DA FÊNIX
Fernando Martins Ferreira
Livro capa
A HISTÓRIA DE LUANA D’ARC
Vandré Tomazi Segantini
veja mas livros »
 

Virtual Books Editora VirtualBooks Editora twitter.com/virtualbooks


VirtualBooks Editora